segunda-feira, 11 de abril de 2011

4 anos em Cartas

Cartas é uma vontade antiga.
Finalmente fiz.




As cartas de papel moram com seus destinatários, consegui listar algumas das que foram se acumulando, ao longo dos últimos 4 anos, na caixa "enviados".

Cartas


                                                                                                                      a poesia mais viva, que jorra


antes do suco
abraço forte seu corpo em cada fruta
no peito, sorriso e lágrima


em cada colherada como toda a fé que conheço,
peço as bençãos, agradeço
aprendi tanto das suas mandíbulas incansáveis


corro, corro, algumas vezes corro o mais rápido possível
quando meu corpo não entende a falta
e arde


as ervas que sabem, santas, a coragem que preciso,
dançam comigo - me animam
no aroma, amorosas me contam
que você está aqui
sempre a dançar conosco


as 5 horas de manhã todo o escuro quer explodir a treva em luz
entre o céu e o mar eu rezo
peço perdão por não conseguir libertar o amor
que pede passagem
quer me elevar ao berço humano
solar dourado
amoroso e Pai


Nosso Pai silencioso em seu Mistério, vivo em toda parte, me mostra
tudo o que não perco por não estar aí
que não te perco e nem a nada, nunca


me ajuda a ver, alma na minha alma!
que toda essa força criada em nós
permanece e nos une
e que a ajuda que recebes aí vem a mim
que procuro a luz em toda parte


trançada à noite e à blusa
adormeço o corpo me acolhendo
repetindo o infinito canto amoroso
da Fé

Cartas



Já lembrei, antes de dormir.
Será que a Astrologia é tão determinante assim?
Se for, é seu ascendente que te frita.

Você é raro, eu sei. 
Mas eu confesso que acredito que esse lugar faz estragos no potencial humano.
Verdade que estou seca, é resultado. Do meu dia, e de não saber se você sequer lê o que eu escrevo.
Mas há um amor que transborda, aqui dentro trago Lírios e Lótus pra te dar.

Que nos acordem, sempre, as flores, para a música misteriosa da Vida.

O meu desejo é que por um pouquinho, todos os dias, você visite e vivencie sua representação de Deus. 
Ela se transforma e nos transforma. É uma pesquisa infinita, mas sem algum foco se perde. 
Da solidão e desse contato, um pouquinho que seja, o amor puro cresce.
Não é que você não saiba ou faça, mas é o meu desejo. Com flores. 

Um abraço e um beijo, com potência 28.

Cartas

                                                                                                                                                             e eu?

De repente pude fitar seus olhos; impacto em víscera
de um amor que sinto - e sem me ver presente - dói

o estômago se divide
é parte de criança, e quer deglutir-se, em avesso
é parte de uma entrega, e sorri o seu brilho, de graça

me destruo no seu texto, espero esquecer quem sou
e aceitar com coragem
o que não há de mim em você

confio que a vida te trará mais lembrança
dos meus olhos tecidos
em fios dourados ao peito
que é casa do seu sorriso,
voz, tempo, buraco, 
que é cama pro seu Ser

enquanto isso a criança esperneia.

Cartas

                                                                                                                                                  

Tão querido e saudoso menino de Deus nessa minha Vida,

Uma leve agonia agora em não saber quando é seu amanhã escrito. E isso é também uma boa metáfora. Espero que amanhã seja amanhã e não hoje, porque agora já é meio dia; mas como faz seis horas que você me escreveu, e então aí eram cinco da manhã, o amanhã tem que ser amanhã, mesmo, não?

Estou feliz com o sabor dessa vida, apaixonada
sinto o coração cheio e leve, com muito espaço

Que alegria poder falar com você amanhã!

Que o seu corpo receba o prazer, seu peito muito espaço e amor, sua mente fique livre para a inspiração mais verdadeira; como num abraço sincero, bem forte, 
como em uma fusão.

Cartas

                                                                                                                                                    passou

a vida está me conduzindo
pelos seus caminhos
não sempre fáceis

os sinais estão mais claros
e o melhor dos efeitos
está cantando firme
estou escutando a canção

O que eu queria te pedir já passou. As coisas foram se mostrando diferentes, foi difícil mas eu consegui ver. Ainda fica a saudade. Ela mostra que temos um pequeno jardim aqui dentro quando olho pra dentro de mim e te encontro. Que bom, em tão pouco tempo já queridos nos faz.

Há coisas que só tenho vontade de conversar com você

Cartas

                                                                                                                                                                        onde foi aquela voz tão doce?

na terra a flor recebe o carinho do sol por toda a sua vida breve

o sol vem e vai
a flor ama o sol
e ama a espera

Cartas

                                                                                                                                                                                                                     Vê

que a Verdade nos une no Amor

onde eternamente Somos UM

Cartas

                                                                                                                                                                                                 nas cortinas

Cair por um feixe de luz de uma corda
no desatar de outra
se perder com as cores

avançar na destrança
acorda
e borda a tentativa de soltar-se

Pendurar no portão de ferro
por longo tempo
derreter com o relógio

às mãos, a coragem
que de perto cede a grade

a visão evapora desse lapso
quando chega o corpo no alvo

atirada reconheço
novamente
réstia que desenvolve
a trama dos fios




há terra por todo esse mundo
no chão vem e é vivo o que nos chama
a nascer com homem
e nascer com mulher

Cartas

                                                                                                                                                                                                     de um livro

Cézanne se abre num homem em que te vejo,
afundo o olhar no papel, ainda te vejo
mais ainda além de ver-te, o peito acorda e sinto

prosaica criança que nasceu pelos olhos
teceram fios dourados do seu coração à retina
cuida
do homem que cresce a se prender em escamas
das camadas que afogam o mistério
em matar cada respiro
onde o intrínseco solto em ti se assusta

fecho os olhos do livro
sei que temo sua morte
a seca do canal dourado onde o seu mistério trança amor bruto

toda lágrima caída sabe, agora,
Anjo, não existe futuro
nenhuma paisagem pode curar nossa distância de si
o que há com o seu tempo?

que a solidão e o silêncio alimentem sua alma que sinto
e te aproximem de Tudo
e de mim

fechando os olhos e acordado, por longo tempo, a crescer

Cartas

                                                                                                                                                                                    Com o Sol de Inverno

Uma nova manhã hoje acorda
em mim tudo o que sei da solidão
desconheço a cama
a janela
moro no corpo

de antigo aqui só a alma e o espírito
da Natureza que me aguarda em tudo

sonhando nas sementes
escondidos nas ervas
e se abrindo nas flores

com o tempo do frio que chega na cidade
a música e o sol do inverno
dão tal força aos passos
que a beleza acorda
e vem dançar a cena

dos pássaros sinto
que por onde quer que vá
estarei segura



monte
em você
a vida também criou liberdade


sua beleza não se perde em mim
se não te vejo


nosso coração vai tranquilo
pelas estradas


aqui e aí confio
que recebes bem
cada palavra
amiga
na essência da troca que nunca se perde
vai-se transformando, seiva
de uma fonte desconhecida e inesgotável

Cartas

Oi...

Fiquei de te falar...

Eu li o roteiro no mesmo dia que você mandou. Já comentei com vários amigos e reli alguns trechos, durante todo esse tempo só não falei com a pessoa mais importante, que é você. No fundo é difícil falar algo que possa fazer diferença. Sinto que o trabalho é muito profundo existencialmente e ao mesmo tempo sério na abordagem social. Varre todas as esferas, é vivo em todos os níveis, por isso pode passear por todos os meios. Sei que ele trará algo bom pro Mundo, por conta disso seus caminhos vão se abrir.

Sobre o e-mail do seu casamento. Tão mágico, tem tanto significado pra mim. Acredito tanto na força e no desafio desse amor de companheiros. E vou estar contigo repleta da intenção de celebrar o Amor. Tomaremos um vinho nós dois, brindando a vocês; estarei presente no seu dia, pode ter certeza.

Estou muito feliz que a família me parece estar amadurecendo individualmente e junta, logo que vocês puderem vir se integrarão e sentirão mais de perto tudo isso. Estou muito feliz em todos os sentidos. Quanto mais dificuldades tenho mais agradeço de poder olhar meus limites. Completamente entregue pra essa superação, o quanto posso.

Estou contigo sempre, no meu coração, de verdade. Pode ser que o meu jeito de mostrar o amor nunca tenha sido convencional ou correto, equilibrado, harmônico.
Eu entendo o porquê. Por trás dessa aparência existe um amor muito forte, muito verdadeiro; mas é sentido de formas diferentes. Não consigo expressar ele da forma como esperam. É verdade que me senti sempre na posição de receber apoio, concretamente. É uma representação errada que estou amadurecendo. Chegando
sempre mais perto da fonte da minha luz, para dar sempre, inclusive para a família.
Sem cobrança, sem expectativa, sem julgamento. Não tem hipocrisia ou ideais nesse caminho. A maturidade vem no tempo certo; o processo está acontecendo muito profundamente. Pode acreditar.

Amem!

Que a Vida os eleve pra além dos limites do sofrimento e da ilusão.
Que esse Caminho de passos sincronizados seja o palco de uma Dança Infinita,
de Descoberta e Criação.

Que os anjos do Amor enlacem suas almas no aprendizado mais importante que existe,
a coragem de agir com o coração.

Cartas

                                                                                                                                                                                    sonho sobre um riso

sonhei que te arrancava o concreto
completamente você sentia a dança das forças por trás das formas
e a vida te inebriava de luz

o riso mais corajoso
e forte
saiu de você como nunca
cheio do amor grato
que finalmente ri
a Vida

sentindo o abstrato curar nosso medo
acordei sabendo por dentro
de todos os limites falsos
da percepção e do que se interpreta
dos jogos tão breves dos séculos que passam

uma alegria imensa me invade nessa coragem de ver
que a vida está além da mente

que na Vida o acaso é apenas não entender Seus caminhos
as escolhas são um convite a olharmos pro nosso medo
de se reconhecer separado

medo de morrer
medo de não ser amado

então corri aqui pra te dizer sobre essa alegria e coragem
de ir além

porque a vida se traça por si mesma
porque a vida está além da mente!
passando por você
e querendo ser descoberta

te amo!

Cartas

hahahahahaha

que coisa!!!

vem viajar comigo quinta

19:02

sou do tipo não cheia de coisas no 6609 0833

menino endereço incerto - pés na estrada

o telefone tocou!

Cartas

                                                                                                                                                                                                  tanto e nada

vivi extrema
de estrada
no rio caudaloso
que desce cachoeira

e uma pequena fonte
vivi nua

estive contigo
hora e outra nos novos metrôs
hotel suntuoso
jantar de negócios

fui filha de salto
dançarina de valsa
e de vinho

bebi tempestade
adormeci nos seus panos
com raios

vivi sol radiante
jovens quentes
argentina
bahia

você presente

e de novo presente

chamada ao nosso mistério
me detive em dois e-mails
de palavras difíceis
tanto e nada pra ser dito

vivi o silêncio
o I CHING
a nós
muita homenagem
muitas portas
em movimento interno
se abrindo

dedicada
delicada dançando o mundo
ventando riso e chorando alegre
te sinto, abstrato
como força viva

não sei o que sou
NÃO SEI

passeando
entendo que juntos
somos oportunidade
abertura como fenda no antigo
tamanho imenso

meu compromisso com a guerra vem cada vez mais perto
cada vez mais claro
entre nós conversamos piadas

perdão pela guerra

está dentro de nós

Cartas

                                                                                                                                            esqueci

agora

o que me vem...?

...

que fiquei de te falar na cama manhã de terça

falar assim:

" - Mas você é um rei. É um Deus.

O que é você? Não é um pedaço vivo de tudo? De tudo isso que é tanto!
E das fronteiras da sua pele não te habita por dentro a vida incessante?"
Há uma luz inominável que se abre nos seus olhos, no seu sorriso, no seu prazer.
O amor que sinto por isso é infinito, como o meu ser, que não sei onde começa ou termina.

Mas nossos dois corpos terminam,
é bom que terminem
que dessa fronteira nasce o contato

E sabe, quando esses corpos se unem, intuindo infinito e limite, o prazer ganha mais força, traz vida pro corpo e também pro centro do peito.

É uma alquimia o encontro, que transforma e inspira.

vou andando, pedalando com a vida me mostrando sempre,
onde for,
mostra na beleza e na miséria,
por ir fundo em qualquer coisa
qualquer coisa se revela

se deter à vida
sem expectativa
relaxar no vazio

sentir

Cartas

                                                                                                                                   o melhor dos céus

mais um dia o céu me conta milagre
aqui tenho sentido o mistério se aproximar da claridade
pelo aspecto do céu, a estética toda, com as nuvens
estático, tão vivamente surreal
até que o sol se despede e poe fogo em tudo

hoje um tucano voou na minha frente, entrou na árvore
aprendi um tanto de tanto
só,

eu pinto

danço

canto alto

como

corro

pedalo

consumo

e a euforia continua

sinto que atravessa-lo me unifica no que estou vivendo
entre uma cidade e outra
um grande ciclo e outro
os pacotes de palavras que ninguém entende

antifilosóficos tão poucopoéticos desatentoinexperientes
os amo como a tudo - porque são

mas ainda os amo com pouca paciência

Cartas

                                                                                                                                                                                   ser o ouvir cachoeira

amanhã disse ser cachoeira
a manhã com o sol criança quer me levar aos estrondos da cura
na música que vem com o cerne da terra
da sombra fria da pedra à explosão brilhante da
queda

se assim não for, ganga me espera chegar outra hora
o ser que sou mergulha na sua voz

que me canta certa força
abstrata e funda, como o mistério do aroma

quanto mais cedo souber desse destino
antes te conto

sempre te quero
com amor

Cartas

                                                                                                                                 Amor em Homem

por aqui acordo de um sonho em outro
corri pegar a bicicleta, ontem, acordada de um homem
no corpo toda a força que tinha entrado, com ele
saía em riso
subia os montes andando, descia os montes voando
subindo sorrindo descendo gritando
o sol se pondo
mágico

o milton de todas as minas
em ouro
no céu cantava a voz das cores

milton cantava devoto através dos meus olhos
e da beleza que é tanta

deitada cansada completa

com o coração aberto em vento
por toda eternidade
todas as canções eternamente

Cartas

                                                                                                                                                 nunca se sabe                           

que bom que você escreveu

faz diferença enxergar as coisas desse jeito, com a responsabilidade sobre as experiências e descobertas que eu expresso

sempre me sinto uma novata deslumbrada no autoconhecimento, atenta a qualquer detalhe que possa me abrir o que não conheço ou o que não concordo. É a verdade que está em jogo, não quero saber de onde vem o novo, o errado, o estranho, o desencaixado, tudo é possivel de ser vivo no caminho, por isso nunca senti isso que você me explicou, como se tivesse que aceitar qualquer coisa, porque o nosso filtro interno acende só quando a coisa faz sentido, eu confio nisso, e se não dá pra entender direito, gera curiosidade, busca, qualquer sacudida é sempre boa, mostra que a gente não tem controle sobre as situações ou sobre a verdade, mostra humildade.

Está tudo aí, entende? Não é pra ser levado tão a sério, porque muda e muda e ainda assim é muito importante estar presente e dar importancia pra cada coisa poder mudar, poder viver seu ciclo de sentido. Falar sobre isso é trazer pra vida sem medo a intenção de colocá-la sob foco, é tão bom! Vejo e sinto isso de um jeito inocente e livre. Isso é muito importante de ser dito, é muito sincero.

Bom, o outro lado da história é que você me pediu pra não fazer mais isso. Tenho que dizer que fazer isso é a coisa mais natural pra mim. Falar sobre o que eu vivo e penso.Quando estou conversando com você, com pessoas amigas, é muito mais uma deliciosa troca de palavras pra achar algo novo ou pra sentir mais profundamente os limites, a profundidade do que eu falo. Eu estou isenta do que eu falo tanto quanto você, estou comprometida com a verdade daquilo em mim, não comigo.
Você consegue sentir isso? Passei a vida percebendo as defesas de quem se apega ao que diz como se fosse a si próprio, vendo disputa e afirmação, defesa e controle, movimentos do ego em ameaça, foi o que mais me foquei na relação com o outro, desenvolver amor na conversa.

Agora, quando você fala que ao mostrar acaba parecendo solidariedade, não é a verdade, mesmo sendo o que você sente. E isso importa muito, porque eu poderia identificar isso dentro de mim quando estou na situação. O meu coração está curioso, está entusiasmado, está querendo criar, lembrar, falar sobre
algo importante e profundo! E se existe um confronto me sinto aberta, desafiada positivamente, amo ainda mais a situação. Minha posição quer você como um igual a saborear da mesma coisa que não me pertence, não pertence a ninguém, é como se eu abrisse um livro ou um jornal e puséssemos a falar das nossas experiências sobre aquilo que estava escrito. Não há disputa, há construção.
O seu papel ali pra mim é, e nos últimos dois anos sempre foi, de alguém que eu confio que pode me entender e compartilhar do mais importante.

Quanto aos nossos papéis, não sinto eles com clareza. Sinto eles mais no colegial, depois só vejo mudanças no meu jeito de sentir você. Poderia dizer o que sinto, mas é etereo, difícil de explicar; sinto sua importância de uma forma muito concreta, sua presença de alguém que ajuda, toda vez que te encontro, uma força interna, uma energia deliciosa de sentir, e isso me faz ser extremamente natural e livre.

O que aconteceu dessa vez vai me fazer ficar mais atenta (não necessariamente tensa). Você me mostrou o que sentiu de tudo e isso tem que ser levado em conta. Eu te mostrei o que senti de tudo isso e levar isso em conta pode mostrar coisas sobre medo e confiança interna.

Não é que "o medo deve virar confiança" em relação às conversas sobre autoconhecimento e nem em relação a nada. Quero dizer que existe mais coisa além do que você percebeu e isso pode se ampliar. Assim como eu vi coisas além do que eu percebi.

Sempre quero sentir você como uma força viva pronta a desafiar todos os mistérios, debravar todas as veredas, sem medo do caos nem da luz infinita.

amo você perfeito como vocé é
admiro e amo toda a sua busca, essa sinceridade
vai além das palavras, até da minha compreensão

Cartas

                                                                                                                               sobre defeitos e qualidades

As palavras desafio e potencial manifesto/não manifesto conseguem traduzir mais minha compreensão sobre isso.
Isso porque somos luz (consciência do todo, auto-consciência) adentrando um sistema duro e multiforme, separado em níveis, e o caminho é dissolver a resistência natural da natureza da matéria que nos envolve em filtros, em labirintos. É como se fosse um trabalho de retirar a casca, e não de desenvolver a luz. É importante essa imagem porque ela transforma a representação e chega bem mais perto do que compreendo. Na vida
da Terra, limitados pelo espaço-tempo, temos um monte de áreas desenvolvidas dentro de nós que não necessariamente são olhadas para exercício, são exigidas por fatos ou situações para se concretizarem, para manifestação no mundo. Por isso o potencial pode estar implodindo a semente para germinar, o que configuraria o potencial não-manifesto, no desafio a semente estaria encoberta e sedimentada e no potencial
manifesto ela estaria dando flores para semear pessoas e frutos para alimento.
Duas grandes matrizes de força surgiram interessantes com alguns detalhes. A primeira é a nossa geometria, nossa codificação e organização em progressiva densificação e formatos, seguindo a imagem de uma luz que tem uma série de caminhos geométricos e específicos, progressivamente diferenciados, gerando áreas diferentes no ser, corpos de informação (uma palavra limitada poderia ser "genética") em níveis densos e energéticos, e nessa matriz a ordem configurada pela influência dos astros, a precisão da sua contextualização no espaço-tempo do mundo enquanto personalidade.
Entrar na parte de reencarnação ou nascimento da consciência traria muita coisa à tona, prefiro deixar isso sob atenção junto com os outros níveis sem aprofundar muito especificamente.

A segunda matriz, desde a gestação do feto, passando por toda a contextualização na família, geração, condições... A relação a ser estabelecida é a unidade do sistema de tudo o que já é nosso e que configura nossos desafios e potencialidades por si só.
O detalhe importante é inverter ou retirar a relação de tempo causa-efeito, quando percebemos que já precisamos entrar em contato com determinados contextos dentro desse sistema consciente de iluminação. Então o processo do nascimento, infância, adolescência; as situações que vivenciamos são catalizadores para irmos buscar nossas sementes e germinarmos e irmos cavando para achar mais. Quando os desafios são muito complexos, intrincadas teias de intensos processos psicológicos entre pais, irmãos, vida material (riqueza, pobreza, mudanças de espaço físico) o ser em crescimento se vê o tempo todo exigido a buscar capacidades para lidar, entender, participar, interagir com esse nível de exigência. E a ponta de um fato que podemos chamar de traumático pode se manifestar como uma tensão condicionada que desagua
numa ansiedade muito forte, e por outra ponta, uma capacidade enorme de enxergar as necessidades do outro, de conseguir se colocar no seu lugar. Esse é um exemplo simples pra ilustrar esse detalhe que configura os eventos muitas vezes como regadores de algumas sementes e encoberta-dores de outras. Há uma balança holográfica e toda ligada em seus pratos e pesos, nada está separado.


Na prática, todo o processo da formação da minha personalidade passou por esses intrincados níveis de exigência material (emocional, intelectual, intuitiva, física, inter e intrapessoal...).
A relação de trauma de nascimento gerou uma constante força de atenção e autoconsciência, um estranhamento e renovamento do olhar para tudo, tendendo sempre à sede de buscar sentido profundo ao redor, desmascarar sob qualquer preço a conveniência e conforto. Gerou também uma insegurança profunda de estar no mundo material, na Terra, uma sensação de não ter direito de estar aqui, de não ser merecedora da vida. Diferente de uma carência de pessoas e mais profundo que isso, há uma carência da vida na Terra por si mesma.
Desenraizamento e dificuldade de lidar com a parte de sobrevivência, organização, relação de trabalho, etc entram aí nesse medo de ter "encarnado".


Espero que tenha servido pra algo.
Até as 10 consegui até aqui, não sei se adianta te mandar mais depois.
Beijo.

Cartas

                                                                                                                                                       wesak                                                                                                                                                    

Leiam agora porque o prazo vence a cada segundo.

Através do que senti durante esses últimos três dias pela lua que me contava, quero convidar vocês pra refletir sobre os nossos próximos 4 dias.

Não há mais como deixar de ser, nós estamos entrando cada vez mais fundo em cada segundo da nossa vida, que é a vida do cosmos, ao mesmo tempo, e permite que tenhamos toda sua força e inteligência, se não desperdiçarmos nossas vias de conexão e a eterna presença da abstração do tempo, que é ser permanente.

Nossa intenção determina como a existência nos reconhece.

A partir disso, o que nós acessamos e o que chega pra nós e pro nosso espaço cresce a partir de cultivo.

Cartas

                                                                                                                                                 ernst


vago
meu sinal está...pulsando lento
Os olhos entulhados de margens

filho
as entradas, os ramos, os freios, o cavalo veloz, o holograma e
essa calha imensa.
Puxa daí, vê se chega.

Cartas

                                                                                                                                                          vou

por entre e dentro, em todas as nossas vias de encontro e perda -
estou conosco em mim
e nos caminhos das suas palavras, sem mais direção

olhando ela, a menina, está viva suspensa no breu de uma caixa, tateando réstia ou outra da sua presença, porque as lembranças são escuras - a bárbara não consegue confiar no passado, em ser amada pelo que foi, teme ter ficado lá, onde não pode mais ser, não existe mais

renova o sol, a lua, a sede de amor com sede, sede

sede insaciável

eu quero dormir dentro da sua confusão, respirando a paz de não sermos de nada que está posto, de termos a morte ao lado, de carregarmos o mistério nos olhos e no coração
e passeando junto pelos caminhos
acordarmos crentes de inspiração

a voz clareia a confusão! minha boca meus ouvidos são seus
há um amor completo e forte a postos para qualquer coisa entre tudo e nada, ou mesmo além
sempre

que esse medo do nosso nada não tome forma como efeito do que sinto, criação a partir de ser fraca

me responsabilizar por ter criado a nossa distancia é uma angústia, força de morte sem pontas

não a quero

eu guardo você numa caixa de esperança profunda e quente

coloco ervas secas dentro
algumas pedras
palavras, versos desencorajados

e o seu presente
com gratidão

Cartas

                                                                                                                     voce aqui, agora                                                                                          

Fiquei um tempo ouvindo Sigur Ros com um amigo, e acabamos de ler um texto que trouxe você.
Há muito tempo não há eco entre nós, mas eu respeito sempre a minha vontade de trocarmos Vida, então sigo tentando.
Lembrei que quis te enviar um filme de presente, mas não sei onde você mora, se quiser me dizer algum dia...
vou gostar de mandar.

Aqui, agora, estou tentando estar aqui, agora; tenho crescido muito, pra cima, e caminho
em frente, devagar.

Sinto o seu Ser, Sei,
Sua essência,
de algum modo misterioso,
Acredito
no que nos liga
nessa vida.

Estou aberta pra ti, porque já me perdoei,
e sempre vou pedir, sincera, que você me perdoe por tudo que passou.

Que você possa sentir o Designio da Vida em traçar o Difícil e o Belo, entrelaçando-os.

Te amo, em essência,
e por esse amor e gratidão continuo sempre
feliz em recebê-lo, quando vem.

Cartas

                                                                                         não podem faze-los como vós


Procurei esse texto de estar conversando sobre a família. Só achei agora, e então quero mandar pra todos.


amor 



"Vossos filhos não são vossos filhos, 

são os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma. 

Vêm através de vós, mas não de vós. 

E embora vivam convosco, não vos pertencem. 

Podeis outorgar-lhes vosso amor, 
mas não vossos pensamentos. 

Porque eles têm seus próprios pensamentos. 

Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas; 

Pois suas almas moram na mansão do amanhã, 

que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho. 

Podeis esforçar-vos por ser como eles, 

mas não podem fazê-los como vós, 

Porque a vida não anda para trás 

e não se demora com os dias passados. 

Vós sois os arcos dos quais vossos filhos 
são arremessados como flechas vivas. 

O Arqueiro mira o alvo na senda do infinito 

e vos estica com toda a sua força 
para que suas flechas se projetem rápido e para longe. 

Que vosso encurvamento na mão do Arqueiro seja vossa alegria;

Pois assim como Ele ama a flecha que voa, 

ama também o arco que permanece estável."


Khalil Gibran

Cartas

                                                                                                                                                      sincronia

Pouquinho tempo depois de sair do cyber, em casa, sorri e ri lembrando desse e-mail, porque realmente desaguei no trecho abaixo, de um dos meus atuais prediletos:

"O caracter que designa a alegria profunda, designa também (com outra pronúncia) a música, a grande música sinfônica das cerimônias, que harmoniza o coração de todos aqueles que, cada um no seu lugar, cumprem o rito. Os Ritos são da Terra:
multiplicidade e diferença das atitudes, separação em graus, enquanto a alegria é celeste, pois ela une pelo íntimo, faz trabalhar juntos e para um mesmo objetivo todos aqueles a quem os ritos atribuem lugares e funções diversas."

"... enquanto a Alegria Profunda é a do vazio - o vazio sendo o coração no coração do meu coração, única morada dos espíritos, unidade profunda de minha vida e dos elementos que a compõem, comunhão com o universo."

Cartas

                                                                                                                                                             afrodite

Chocolate, mel, ostras, morango e figo, amendoim, guaraná

Cartas

                                                                                                                                                             §                                                                                                                                      

amada alada ao lado e além de mim,

percebo você todo dia,
eu ando a vencer minhas crenças,
e nisso o tempo é suspenso - sei que estou demorando pra ser quem você merece,

me espere, amor, me espere por mais um dia e tudo será como é bom que seja
me veja como

eu sou no fundo do seu eu
porque é a esse ser que retorno mais a cada dia

sou sua criança,
pequena e grande designada,
pra estar lhe falando,
e ouvindo, e amando

e pedindo perdão mesmo sabendo,
que você é amor.

hoje há um ciclo a mais em ti;
há hoje o ai de mais um símbolo,
círculo,
always round and round and going inside yourself


quando estiveres mais em si,
e cada vez mais,
então estará no mundo todo.

ai mãe, filha, foto ausente, farta humana como eu!
espera,
que o que seremos será sempre nosso próprio caminho

juntas

sê mais galáxia, mais rio, mais fogo, ainda
mais consciência...

Cartas

                                                                                                                                                 depois de 2

Oi.
Mesmo que o agora não alcance você como alcançaria antes, essa tela nos seus olhos tem um sentido mais antigo, que foi sendo digerido com zelo e cuidado pelo meu corpo todo. Essas palavras aqui não têm menos força do que teriam se eu tivesse escrito logo quando cheguei aqui, pra falar do que foi e ficou, mas tenho a sensação presente de que elas têm mais maturidade.
Ontem foi um dos meus aniversários. O único em que pude fazer 21 anos, é claro, mas em sincronia com o dia 21, do mês. Oportunidade singular na vida toda. De forma estranha caiu como o dia simbólico da morte de Cristo. Nunca liguei pra aniversários, sempre passaram batidos. Mas ontem... Estava tudo muito esquisito, começando pela minha febre alta sem explicação (39). Saí com o pessoal, virei a noite numa festa com meu irmão, cheguei pelas 3, dormi só duas horas e quando acordei parecia que estava em outra cidade. Sentia muito frio. Olhei pela janela e chovia, tudo cinza. Um vento no rosto e me veio você na cabeça, saindo cedo pro trabalho, eu na janela a ver o cinza, o sono e frio alheios antes de voltar pra cama. Pensei em escrever que você tinha sido o primeiro pensamento espontâneo do dia, mas no quarto do computador minha mãe estava dormindo. Guardei a lembrança e a vontade de te escrever. Enquanto estava fazendo o café me assaltei de memórias boas, dei risada de lembrar você me ridicularizando pela falta de senso de direção, lembrei de você me beijando na cozinha, tentando elencar os meus 0 defeitos, me desafiando com o olhar mais penetrante e forte, sua mão "equilibrada" pra cima no meio da noite, sua mão no meu corpo, segurando a minha mão que ainda treme, a música certa, o vinho certo (que agora eu tomo sozinha aqui), a minha descoberta real do sexo (aqui eu redescobri que isso depende de quem), e mais um monte de coisas que tornariam isso aqui nostálgico demais.
O fato é que eu senti alí que tinha chegado a hora de nos lembrar.
Não posso te escrever mais como a que pareço pros outros, como se estivesse por cima de tudo. Eu me desnudei de uma forma tão sincera, infantil e destemida pra você, que a parte que eu mais valorizo em nós é como conseguimos nos sincronizar com o máximo de naturalidade.
Enquanto tomava o café e rabiscava essas coisas no papel fui ficando com calor e me descobrindo até querer ligar o ventilador. Febre estranha; o começo do dia mais meu do ano, com uma certa febre de você.
Viver aqui não me impede de estar aí quando você me assalta. Adoro os seus assaltos, seu jeito, eu realmente adoro aquilo, apesar daquilo existir agora só em potencial.
Eu tenho esperado o tempo certo pras coisas, percebo quando é hora de fazer algo porque de repente alguma certeza forte me invade. O tempo que passei em São Paulo tomou lugar certo esses dias, e tudo têm mudado por conta disso.

Cartas

                                                                                                                                                      seguindo

escutando notas e outras, ouvindo água, ondas, som, seguindo...
seis horas tão cedinho, sair sendo o frio e sentindo que já há tanta força em deitar na terra assim, com as plantas, as folhinhas pequeticas que ainda não eram matéria ontem, amor e impressões retornando em mim, dentro crescendo uma seiva e outra, novas, tais quais gotinhas respingando tua imagem e naturalmente pela memória que habita o corpo, o que quer se misturar com o ser contínuo, vai permanecendo vivo, renovado,
continuando a ser e nascendo todo dia, seguindo...

com ser
com seguir
reconhecer
amanhece
com vive
som
soma
sendo

Cartas

                                                                                                                                                      em casa

Vez ou outra, tipo agora, vem você por perto, e, bom, dá vontade de tomar uma cerveja
e conversar; sobre nada sério, assim, é sempre uma delícia só por saber que há um universo implícito
de identidade e mistério, manifestados ou não, em qualquer risada, nas coisas todas ao redor, mínimas, em vários níveis, como o silêncio e você juntos, ou discorrer sobre fatos, mórbidos, cômicos, gerais. (muita vírgula)

então aqui há essa força sobre querer; tipo um potencial para estarmos bem com

Cartas

                                                                                                                                                          amar é:

então desculpe a mim
acho que misturei querer te entender, te deleitar, querer-te apenas.
mas
sua ausência insistia em me indicar processo, mudança,
nos quais há mal e bem,
necessário é a descoberta

não me preocupo
quero estar perto, pegar
esteja onde quiser
por quanto tempo for
que o nós seja livre pra ser pleno
e que haja coragem e calma
quero estar nua, dançando, vomitando, estar suja,
quero estar errada
eu não pretendo
não pretenderei

con vida
sem peso
com ser, veja

amar é...

Cartas

                                                                                                                                                            sam

eu te quero e só posso ser festa
as traves derretem porque sinto o fogo se nutrindo de pureza

então sei que posso receber mais verdade

da sua beleza, e presença
dessa tranquilidade

sabe,
a persona que te mostra
se reconheceu e descobriu
eu vejo
uma tal visão atenta, curiosa e madura

como eu amo o amor e a força consciente do seu olhar
doce, inocente, disposto
as trilhas dos seus caminhos internos
não sei por onde
criaram a beleza material mais difícil em si
aquela que é efeito puro, em gesto e campo, sutil impossível de ser premeditada,
o sagrado em você vaza
transparece fundo longínquo labor de alma
e me vê

a matéria se efetiva, concentrada à sua volta,
naturalmente mais perto das coisas
de ser
de mim
perto da intensidade e pureza que me arrebata e que está esquecida

e as coisas masculinas por toda parte,
estranhamente, intuitivamente se encaixam

você é autentico como seus dentes,
apaixonantes
auto-existentes como a risada
tudo decidido a uma simplicidade poderosa
linda
e hora ou outra
todo esse ser vira gesto,
conjunto divino voltado pra mim
me encontra
o milagre se concentra e toca
pesquisando o meu corpo


te dedico o cafézinho de daqui uns minutos,

deliciosamente esperado

saudade

Cartas

                                                                                                                                                                      °

através de mim em tudo quanto vive
que o que é seja em toda plenitute
eu te sinto sendo gratidão

Cartas

                                                                                                                                                     desabafo                                                                

não é só acolhimento e identificação
sua presença é um universo extendido de referências que me convida a ser livre pra expressar o que eu quero na música, você acolhe uma diversidade imensa
teorias sobre teorias ou sobre as práticas, você passeou por várias áreas pra entender como elas são todas uma só e estão na vida, conosco, antes de começar a falar

não tenho rótulos pra me contorcer, ler um pedaço de um livro, perguntar, chorar, pedir, inventar um processo material esquisito, trocar a ordem ou mudar o lugar das coisas
posso fazer qualquer coisa, meu corpo é livre, minha risada é livre, minha mente está livre

puta que pariu passar a noite falando de confrontos teóricos com uma tensão crônica pelas motivações escondidas, sempre com a paz distante, o corpo emocional bloqueado

ou seguir os rituais desgastados e feios de ficar se beijando e se tocando sem atenção pra tentar acessar o fragmento "contato humano"

o entorpecimento da irresponsabilidade em julgar, depreciar, achar que está errado, errado, com o mesmo desrespeito achar que está certo, e por isso é tudo pior ou melhor que si mesmo sempre
ou mesmo a imagem autoritária da elevação, ok, estamos aí querendo mais integração e contato mas continuamos todos com mil caminhos existenciais ante os poluentes, e a vida, as discussões, as atitudes não se resumem a isso, mas passam por isso pra chegar muito mais além

sustentar padrões de gestos de carinho e amor com o rosto e corpo pra se identificar num lifestyle hippie superficial que não enxerga as sombras e por isso acessa um mínimo de luz - meus olhos andam clínicos pra esses falseamentos

essa rejeição comum e corrente pelo real underground nas artes, ficar endeusando as quebras num processo de insegurança e vaidade explícito, a masturbação jazzistica infinita que reduz a harmonica à falta de significado, poesias com esquemas linguisticos refinados nas formas, ou desencaixes ironicos e assuntos mortos

ficam todos esses modelos de ter que ser, melhor que seja, dever ser, podres por dentro, praticamente inexistentes não fosse o esforço abissal de manter correntes de artifícios em badulaques manifestos criando a identidade e a sanidade pelo medo - identidade e sanidade pelo medo
essa dificuldade defendida de ver beleza na simplicidade da música que é carregada de força e emoção e todo processo de estancamento, engessamento, limitação e pouca força ou desequilibrio que essas convivências me trazem

me dão saudade
de investir e ressoar com a existência permeando as coisas
convencidos que a gigantesca diversidade de artifícios que o medo de ser cria
não conduzem caminhos reais pras coisas,
então a distância entre existir e manifestar fica cada vez mais aparente em todo o resto,
e eu tentando buscar os olhos alheios
que se alcançados mostram confusão, silêncio
e medo

não é nenhum processo reflexivo que me conduz a você, mas o dia-a-dia que te faz emergir em mim, e essa constância me põe aqui sentada pra explicar a saudade, que não carece explicação

Cartas

                                                                                                                                                         Extrema

o caminho é simples até aqui, é seguro e forte tentar acessar sua visão e seu corpo

mais novo é vivenciar a vasão sem voz, boa pra ser som de mim e rir e corporificar os significados no rosto, no abdômem, nos braços...
as minhas mãos que escrevem se alimentam dos seus olhos que lêem

a manhã de amanhã vai cruzar minas gerais em mim, fronteira sob os pés, rodas sob os caminhos
a força que o mundo concentra nessa transição de ciclo, calendários ao redor do planeta fazendo emergir símbolos compartilhados, me trouxe sensações e anseios de montanha e floresta que, aparentemente dispersos, tiveram força pra me responder com maestria e concretude. Essa resposta condensou beleza e sincronia - me ajudou a sentir mais força na vida depois de uma série de desencaixes leves, que juntos criaram um movimento claro de luta - manter-se entre a tempestade

você - ser, voz e corpo chegam em mim desnudando onde estamos e quanta força nos une - eu acesso essa presença e ela me traz aqui

Cartas

                                                                                                                                                         querido

Essa sede não é só de olhar sempre sorrindo pra sua vida, passado e presente de uma beleza cheia de significados que me atraem, continuamente... também é de me ver deliciosamente encaixada no seu convívio criativo na medida em que eu seja uma das lindas peças escolhidas, porque você é uma escolha constante, até na memória - de força, graça, e, bem, de genialidade. Mesmo brincando com essa palavra sempre, é a
primeira vez que integro ela com a grandeza da espontaneidade humorística. é sobre ser, sabe, não é sobre adjetivos nobres, habilidades, capacidades, é sobre o que eu acesso de mais fraterno e despojado em você, justamente aquilo desinteressado e forte, o mais livre de qualquer pretensão. é também sobre você e esses mineiros, todo o cenário de liberdade e carinho, essa vontade de ser... Ah, como essas coisas na vida
são belas... tudo está se mostrando novo, mesmo com tanto que ficou, procurar referências é desperdiçar a riqueza dessa fase.
Tudo isso pra te contar que lembro de você dando risada, sorrindo, rindo, sorrindo outra vez e acho que é um presente interno saber-se lembrado sempre assim, não só pra se sentir feliz por si, mas pra sentir quem você é através de mim. Coisa mais linda é sorrir, nossa. Todo mundo fica bonito quando sente aquele amor livre de formatos e sorri com o rosto todo, tanto mais com os olhos.

Vou cruzar a fronteira pra Minas e passar 7 dias em Extrema, junto das águas e da mata
A gente vai viver essa transição de ciclos, com os arredores do mundo se conectando a significados mais e menos comuns; nós estamos bem perto em espírito, recebendo essa força pra o que pudermos acessar, vivenciar e criar.

obrigada por tudo

Cartas

                                                                                                                                  melhor escrever saudade

não sei quão longe estamos
nem o quanto não quero estar
ambas medidas há,
aumentam, diminuem, somem,
mas principalmente, sobre se ajudar, se instruir - mútuo
a saudade é muita de nem precisar saber-se quanta

as fases criam-se despedem-se bárbaras
não se conta

nós somos nossa presença
que posso fazer te ligando?

Cartas

                                                                                                                                          mais um pouquinho

A despedida sempre deixa uma fenda, de últimas palavras, revisões, mais um pouquinho
de silêncio...

Dessa vez fui sentindo, assim, andando pela rua, saudade, saudade,
e gratidão.
Pela gratidão eu queria falar obrigada.
Pela saudade, escrever saudade.
Tudo pelo amor, a paciência, os cuidados, a graça, a casa, e você, você, o amor e você,
que combinam tanto na sua imagem.
Tudo que há de você em mim é bom. É completo.
Isso é cultivo seu, só por ser, veja só.

Então é isso.

Cartas

                                                                                                                                                        à Sophia

anunciando manhãs sem sol
aqui,
quando melhor o cinza está prata
quando encanta é pelo artifício

o vento que sopra porquês da vida nas árvores
aqui assolapa paredes e becos
canta, enquadrado, por liberdade

encinzesse entristecendo, pano seco cobrindo céu opaco

e repetir a cor
do céu estanque

do suspiro abstinente
da coragem
da saudade
é pra chamar cachoeira pra perto
e pra que esse quadro firme,
nosso,
pinte amor e criação cobrindo o caos

se essas ruas deixassem o silêncio me ajudar
se o vento soprasse um pouco só com som de ser
ah, que saudade das matas
cachoeira me contando porque que a vida é
violam-se os motivos, as vontades, as verdades
gritam, choram,
a sede é de outra água
e o riso desesperado
está alto pra estancar a solidão

Cartas

                                                                                                                                                   florianópolis

Flores Maiores
são dádivas
em si
entre si

entre seres de espécies e gêneros

borboletas
pássaros com música
ervas

princípios de força simbolizando tudo
princípios de origem

e além
são elas que amam o amor
com força e liberdade
indistintamente

Cartas

                                                                                                                                                              distante

Por aqui estive
em graves tramas

reconheço o desafio
rio
sou rio de força
terra que acolhe o céu
virtude do céu ventando às flores
ventre e luz repleta de gêneros e espécies

Fim

Cartas é uma vontade antiga.
Finalmente fiz.