segunda-feira, 11 de abril de 2011

Cartas

                                                                                                                                                                                                 nas cortinas

Cair por um feixe de luz de uma corda
no desatar de outra
se perder com as cores

avançar na destrança
acorda
e borda a tentativa de soltar-se

Pendurar no portão de ferro
por longo tempo
derreter com o relógio

às mãos, a coragem
que de perto cede a grade

a visão evapora desse lapso
quando chega o corpo no alvo

atirada reconheço
novamente
réstia que desenvolve
a trama dos fios




há terra por todo esse mundo
no chão vem e é vivo o que nos chama
a nascer com homem
e nascer com mulher

Nenhum comentário: